sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Contando histórias


Desde o meio do ano passado pra cá voltei a fazer uma atividade que muito me agrada, mas a qual eu tinha interrompido. Há exatamente 5 meses venho lendo com mais frequência e não consigo mais parar é um livro atrás do outro e todos de estilos diferentes.
Essas leituras diárias que realizo agora, me fez parar pra pensar,sobre o ato de escrever, ou melhor de contar história, principalmente o livro que terminei de ler, pelo fato dos personagens estarem ligados diretamente com a profissão que escolhi exercer e pelo próprio hábito da leitura.
Desde pequena gosto de ler e escrever, faz um tempo que não tenho um diário, mas quando tinha uns 8 anos comecei a criar o hábito de escrever meus pensamentos neles, meus segredos e coisas do dia á dia.
Acredito que foi a partir dai que surgiu meu interesse por contar histórias, não as minhas mas sim a de outras pessoas. Escrever pelo menos pra mim se torna mágico, porque você em algumas linhas pode dizer o que não consegue expressar com palavras.
Eu sempre gostei de tudo que pudesse ser feito para contar histórias, por isso sempre fui apaixonada por teatro, cinema, música e livros. Essas são formas com liberdade para contar histórias da maneira que achar melhor, cantando, dançando ou interpretando não importa como, o que realmente importa é a história.
Mas esse exercício de contar histórias existem certas responsabilidades, não se você é um escritor de ficção, mas se você abordar histórias reais, como jornalistas e escritores biográficos, tem que tomar certos cuidados, com o poder que tem as palavras escritas que não podem mais serem apagadas.
É claro que amadores, que se aventuram pelas palavras, no inicio não tem muito essa preocupação, principalmente quando se é criança, ou jovem, mas é necessário passar esse tipo de responsabilidade desde cedo para que não se crie problemas mais tarde.
De todas as maneiras de contar histórias, o jornalismo me atraiu por ser o que aparenta ser mais fiel há elas, porque para contá-las você tem que se aproximar do dono da história e colher mais informações possíveis para relatar com máximo de veracidade que conseguir.
E cada vez que leio um novo livro, vejo um filme diferente , ouço uma músicas emocionantes arquiteto maneiras diferentes de contar essas histórias e penso quando será que eu vou contar uma nova história.



Fonte: ilutrção/GoogleImagens

2 comentários:

Ricardo Rosa disse...

Olá pessoal, tudo bem?

Me chamo Ricardo Rosa, faço parte da produção online do Programa Avesso ( www.avesso.com.br ). Um programa que mostra os bastidores das principais ações de comunicação das grandes marcas no Brasil.

Fiz uma visita ao seu blog e gostaria de dizer que o conteúdo está de parabéns. O trabalho está ótimo.

O Avesso desenvolve parcerias com diversos blogs das áreas de comunicação, moda, sustentabilidade, design, esportes entre outros. Nesse sentido gostaríamos de te propor uma parceria.

Acesse o nosso site: www.avesso.com.br e Caso tenha interesse é só retornar o contato.

Um grande abraço.

Obrigado!

Ricardo Rosa
ricardo@avessotv.com.br
Tel. (11) 3578-0777
____________________
www.avesso.com.br
www.meadiciona.com.br/avessotv

Rafaela disse...

também gosto muito de ler, escrever e ver filmes!