quinta-feira, 8 de setembro de 2011

Trânsito, trânsito...



A população aumenta, os carros nas ruas também aumentam e consequentemente o trânsito. Após a redução do IPI ( Imposto Por Produto Industrializado) a população sentiu segurança para comprar automóveis.
Dados do Seade ( Sistema Estadual de Analise de Dados) mostram que no Estado de São Paulo, em 2010 apontou 3,09 veículos por habitante. O que já nos da a visão do porque o trânsito encontra-se intenso nos últimos anos.Também com dados de 2010, o último anuário da Anfavea mostra , que foram emplacados 5.44.387 veículos contabilizando um aumento de 12,42%.
O aumento de aquisição e fabricação de veículos é o fator agravante para o transtorno que sofre a população que permanece horas parada no trajeto de casa para o trabalho e vice e versa. No entanto este sofrimento é causado também pela própria população, que procurando conforto e satisfação tem procurado carros menores ou invés de organizar o famoso carpooling como é chamado nos Estados Unidos o ato de compartilhar o carro alternadamente por duas ou mais pessoas.
O conforto de um carro unitário, e também a beleza pode custar o tempo que você aguarda diariamente para chegar ao destino desejado. O número de mini coopers, Smart, Ford Ka, New Beatle estão aumento, e apesar de serem menores, facilitando para a hora de estacionar, imagina se todos resolverem ter seu próprio carro e ninguém mais dividir, mesmo pequenos não há espaço que chegue.

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Parceria

Aqui vai o link do site Avesso a primeira parceria do Opiniões e Informações
http://www.avesso.com.br

sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

Contando histórias


Desde o meio do ano passado pra cá voltei a fazer uma atividade que muito me agrada, mas a qual eu tinha interrompido. Há exatamente 5 meses venho lendo com mais frequência e não consigo mais parar é um livro atrás do outro e todos de estilos diferentes.
Essas leituras diárias que realizo agora, me fez parar pra pensar,sobre o ato de escrever, ou melhor de contar história, principalmente o livro que terminei de ler, pelo fato dos personagens estarem ligados diretamente com a profissão que escolhi exercer e pelo próprio hábito da leitura.
Desde pequena gosto de ler e escrever, faz um tempo que não tenho um diário, mas quando tinha uns 8 anos comecei a criar o hábito de escrever meus pensamentos neles, meus segredos e coisas do dia á dia.
Acredito que foi a partir dai que surgiu meu interesse por contar histórias, não as minhas mas sim a de outras pessoas. Escrever pelo menos pra mim se torna mágico, porque você em algumas linhas pode dizer o que não consegue expressar com palavras.
Eu sempre gostei de tudo que pudesse ser feito para contar histórias, por isso sempre fui apaixonada por teatro, cinema, música e livros. Essas são formas com liberdade para contar histórias da maneira que achar melhor, cantando, dançando ou interpretando não importa como, o que realmente importa é a história.
Mas esse exercício de contar histórias existem certas responsabilidades, não se você é um escritor de ficção, mas se você abordar histórias reais, como jornalistas e escritores biográficos, tem que tomar certos cuidados, com o poder que tem as palavras escritas que não podem mais serem apagadas.
É claro que amadores, que se aventuram pelas palavras, no inicio não tem muito essa preocupação, principalmente quando se é criança, ou jovem, mas é necessário passar esse tipo de responsabilidade desde cedo para que não se crie problemas mais tarde.
De todas as maneiras de contar histórias, o jornalismo me atraiu por ser o que aparenta ser mais fiel há elas, porque para contá-las você tem que se aproximar do dono da história e colher mais informações possíveis para relatar com máximo de veracidade que conseguir.
E cada vez que leio um novo livro, vejo um filme diferente , ouço uma músicas emocionantes arquiteto maneiras diferentes de contar essas histórias e penso quando será que eu vou contar uma nova história.



Fonte: ilutrção/GoogleImagens

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O inicio de uma nova Era

Em 1º de Janeiro de 2011, a Senhora Dilma Rousseff assumiu a presidência do Brasil. Com toda a pompa e aclamações reservadas para tal cerimônia, o ano começou ao comando da primeira presidente mulher do país.
Não sou uma seguidora da presidente, mas assim como se pronunciou em Brasília prometendo diante de convidados e diante de milhares de telespectadores que acompanhavam a posse de casa, espero que cumpra cada palavra e continue fazendo proezas para o Brasil seguir mudando como diz seu slogan de campanha.
Agora como brasileira não estou em posição de criticar e como disse anteriormente, só ficar na esperança de que a escolha feita pelos brasileiros que a elegeram não seja errônea esperar bons resultados deste novo governo.
Como primeira mulher no comando enfrentará obstáculos,mas já mostrou que driblou muitos a partir do momento que chegou aonde está.E que não tem medo de desafios e lutará pelos direitos da imprensa, da mulher e de todos os que necessitarem de apoio.
No inicio de seu mandato visitará 50 países em prol de aumentar a visibilidade do país e estreitar nossas relações internacionais com as influentes potências. 2011 está representando um ano de mudanças e elas serão sentidas em vários aspectos a escolha de nossa presidente foi a maior delas. Por tanto neste ano a esperança é o outro nome do jogo, e mudança e esperança devem andar juntas e juntas vão fazer o Brasil seguir mudando.
***
Aqui fica um pouco dos meus pensamentos e informações a respeito da presidente Dilma, o que mostra como 2011 é o ano da mudança. A futura jornalística que aqui vos fala (digita) abominava o assunto política, mas como não podemos nos fechar para o mundo, este post mostra o início de uma nova personalidade e de informações mais completas sobre diversos assuntos e neste ano, prometo deixar a política mais presente no blog.
Um excelente 2011 para todos vocês!!!