segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Direitos Humanos

Entra ano e sai ano, e a constituição sempre têm algo a acrescentar ou modificar. E os Direitos Humanos que sempre gera alguma polêmica vai fazer algumas mudanças na nossa Constituição.
O Novo Programa Nacional dos Direitos Humanos nem saiu do papel e já está causando conflitos entre os ministros e a população.
Alguns dos tópicos do texto são a divisão de terras, a proibição de objetos religiosos em locais públicos e uma revisão no sistema para as concessões de rádios e tv e ainda fixar um acompanhamento no editorial dos veículos e ranking de publicações que comentem violações .
Outra mudança seria a regularização na profissão de prostituta.
Mas todas essas novas "ordens" estão ainda no papel não vigoram até sua aprovação. Agricultores, Ministros e Religiosos estão protestando de acordo com seu ponto de vista e interesse.
Existem também várias mudanças em vista, e o apoio diferenciado também é uma delas. Este apoio será dado para atendimento para indígenas, negros, quilombolas, mulheres, idosos, adolescente, moradores de ruas, para população GLSBTT, baixa renda, criança e pescadores artesanais. O casamento entre pessoas do mesmo sexo e adoção integram a lista junto com a Comissão da Verdade que gera mais uma polêmica em que ministros acreditam ser algum tipo de revanchismo. A Comissão da Verdade têm o intuito de investigar crimes ocorridos durante a ditadura militar.
Com isso a presidente Lula hoje decretou a lei do silêncio para amenizar os nervos.
Mas ainda muitas águas rolaram, pois até todos entrarem em um acordo nada se concretizará.
Tratando-se dos direitos humanos o que deve se levar em conta é o beneficio que o cidadão brasileiro receberá disso tudo e não o ponto de vista de cada um.
O nosso maior lema não é a liberdade de expressão? Impressa livre? Direitos iguais para todos?
Então vamos analisa-los, para tirar o melhor para todos.










Fonte: Estado de S. Paulo e google imagens.

Um comentário:

Sequelanet disse...

Espero que dê certo. E todos precisam saber de seus direitos, humanos e também como cidadãos. abs