quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Pessoa Amada

A obscuridade da noite
Esconde os mais profundo segredos
E os mais loucos desejos
No entanto sem nenhum lampejo de verdade
Nessa cidade nem tudo parece real
A vida parece mesmo um caos
Junto a esse sentimento desleal

Saindo de casa tudo muda
A noite é tão bela e profunda
Quando olho pra lua
Ela parece me chamar
Então há procura dela em algum olhar
Mas continuo sem encontrá-la
A dona desse caos

Que se tornou meu coração
No entanto só encontro multidão
E nela mais solidão
Qual será a sensação ?
De o seu amor encontrar
Sem com a noite se importar
Talvez seja só especulação

E continuarei sem nenhuma exatidão
Se continuar nessa janela esperando
E o amor lá fora, pronto para amar
Quem quer que apareça sem nenhum temor
Pois ao temer não tem coragem de agir ou amar
Apenas tem pavor, temor, horror
De realmente demonstrar do que é capaz

Na verdade todo mundo é capaz
Capaz de amar, odiar e desejar
De se perder, se envolver
Chorar, implorar e de voltar
Voltar mesmo depois que jaz
Sem entender porque não devolver
O amor que um dia entregaram á você.

4 comentários:

Lorena Alves disse...

Ahh muito bacana !! As vezes é fácil ser amado, mas retribuir é de fato complicada :S

BRUNO disse...

Gostei da imerção do indivíduo nos confins da humanidade, se entregar aos outros de tal forma, de fato, adorei o poema. Você parece tornar uma coisa pouco interessante aos brasileiros, que é a poesia, em algo belo e prazeroso de se ler.

Obrigado por sua participação no temporário.

E muito obrigado pelo contexto do comentário, vamos acabar com os infames "Parabéns pelo blog!" e blá, blá, blá...

Abraços!

http://tempo-horario.blogspot.com/

Tiago P. disse...

Esperar na janela na oadianta.
E tudo q rola na noite nao deve ser levado tao a serio. hehehe...

Mas falando serio, achar um amor eh uma busca impossivel. Quem eh q garante q akela pessoa q vamos nos casar eh a certa?

mto bom esse poema.

Eu, Thiago Assis disse...

noite, solidão... cenário triste, mas intenso. parabens ^^